A construção de marcas na era digital

Os conceitos de construção e consolidação de marcas passam por um momento muito delicado com o crescimento da era digital e da mobilidade no cotidiano das pessoas. Na década de 90 presenciamos um bombardeio de mensagens e slogans que buscavam a identificação dos consumidores com a marca descolando-se assim do produto, foi neste sentido que a fabricante de material esportivo Nike trouxe o “Just do it”, um conceito de estilo de vida ativo e dinâmico.

O fato é que no presente cenário, as corporações perderam o controle sobre as suas marcas e precisam se adequar as novas formas com que os consumidores passam a interagir com os seus produtos. As mudanças não são apenas de caráter tecnológico e sim no comportamento e relação das pessoas com o consumo e com as empresas. “Nesse novo sistema, a confiança do consumidor é baseada principalmente em pessoas e não mais em marcas”, afirma Frederico Casalegno, diretor do Escritório de Experiências Móveis do MIT para a Revista Amanhã.

Ao ler esta colocação de Casalegno e o restante da matéria de Felipe Polydoro, intitulada “Perdidas no ciberespaço”, recordei uma situação que ocorreu comigo no início deste ano ao trocar meu aparelho celular. A loja me ofereceu um aparelho muito completo, a um preço promocional e de uma marca renomada, mas isto não foi o suficiente para que efetuasse a compra. De dentro da loja mesmo procurei maiores informações sobre o aparelho com outras pessoas, inclusive verificando em comunidades virtuais possíveis declarações de outros usuários satisfeitos ou insatisfeitos. Após esta fase de coleta de informações vacilei, acabei adiando minha compra e efetuei a compra na mesma loja, no entanto, de outro aparelho de uma marca não menos reconhecida. Detalhe, o que me fez alterar a opção de compra foram os depoimentos das pessoas sobre o aparelho anterior.

Os consumidores estão repletos de informações sobre os serviços e produtos oferecidos por qualquer empresa do mundo. A mobilidade traz este recurso a uma velocidade incrível. As áreas de marketing e comunicação das empresas procuram se adequar a esta realidade, incluindo perfis nas comunidades sociais e iniciando a interação com os seus públicos, porém sem ter certeza quais ações e atitudes são as mais adequadas.

Conforme matéria da Revista Amanhã, podemos destacar alguns pontos fundamentais que estão sendo trabalhados por algumas empresas e que estão rendendo bons resultados, como engajamento, transparência, conteúdo de marca, facilidade, disponibilidade e falta de controle. Todos os conceitos possuem uma relação, mas se fosse delegar qualificaria o conteúdo de marca e a transparência como iniciais. O consumidor não quer mais ser impactado e sim atraído por uma marca, para tanto as estratégias devem ser diferenciadas e inovadoras, mas essencialmente pautadas pelo relacionamento e a transparência. Pois, no tempo em que a informação assume a velocidade da luz, qualquer inverdade ou meia-verdade passa a ser desmentida e anunciada aos quatro ventos como muito negativa para milhares de pessoas, sem que a empresa possa sequer retirar a informação de circulação.

É hora de renovação, mudança, novos ares. Pensar as pessoas como fundamentais para o andamento próspero da organização, encontrando nelas aliadas estratégicas para fornecer um feedback antes não conseguido com outras ferramentas de gestão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s