Mídias sociais podem contribuir para mobilização da sociedade

Por meio das redes sociais na Internet é possível compartilhar problemas e descobrir causas conjuntas, para então ser iniciado um processo mais ativo de mobilização social. Esta foi a conclusão dos participantes do debate “O Social nas Mídias Sociais”, que aconteceu nesta segunda-feira (7/1), durante o Social Media Week, em São Paulo (SP). O evento sobre mídias sociais ocorre simultaneamente em mais oito cidades do mundo.

“Estamos no ápice da tecnologia e quebramos a informação transmitida apenas nos moldes habituais por meio da Internet. Esta nos aproxima dos problemas globais. Consigo saber o que está acontecendo no Egito”, abriu o debate o moderador da mesa, Fernando Barreto, da Webcitizen. “Por meio das mídias também há resgate de pertencimento, quando um menino no morro do Alemão passa a tuitar acontecimentos sobre sua comunidade”.

De acordo com Maurício Curi, da Educartis, em muitas situações, a comunicação por meio das redes sociais acontece de forma mais intensa do que no próprio convívio social real. “Quando estava a caminho deste debate, entrei no elevador e os vizinhos não me cumprimentaram e vice-e-versa. Pela Internet, você se comunica até mais, com pessoas que você nunca viu”.

O questionamento maior, de acordo com os debatedores, está na hora de usar as ferramentas digitais para potencializar ações reais. “Nesse caos de informação, como trazer para o físico as atitudes que equalizem os problemas sociais?”, perguntou Barreto.

Segundo Jorge Carvalho Picho, da Reunamos.com, estamos justamente no meio de um caminho. “Existe a tentativa de dar um passo do ciberespaço para a ‘ciberfraternidade’”.

Paulo Farine, do Instituto Elos, realizou uma experiência. Ele e mais cinco amigos fizeram um convite na Internet para jovens se engajarem em uma viagem rumo à Santa Catarina. O objetivo era a reconstrução de um estádio destruído pelas chuvas. “Em dois meses, dois mil jovens se interessaram pela proposta”, revelou.

Para Curi, um dos principais problemas que atravancam processos de mobilização como o exemplificado por Farine, está atrelado à educação. “O modelo da escola é antissocial, não permite a troca. Há um sujeito passivo, o aluno, recebendo conteúdo. Juntando com a questão de um governo que enxerga o indivíduo como provedor e não como participante, então, ocorre isto que vemos”.

Ao final das discussões, Picho destacou a necessidade da construção de uma democracia participativa. “Isto é o que temos que buscar”, pontuou. “Assim, o espaço social digital permite formas de mobilização que não são as tradicionais”, completou Curi.

 Texto: Desirèe Luíse

Fonte: http://aprendiz.uol.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s